A Guerra dos Judeus contra os Romanos – Parte 7 – A fome em Jerusalém

A situação chegou a um ponto inimaginável de sofrimento; Josefo a descreve assim: “A fome que sempre aumentava, devorava famílias inteiras. As casas estavam cheias de cadáveres de mulheres e de crianças, e as ruas, de corpos de anciãos. Os moços, inchados e cambaleando pelas ruas, mais pareciam espectros do que seres vivos e o menor obstáculo os fazia cair.

Assim, não tinham forças para enterrar os mortos e quando mesmo as tivessem, não teriam podido fazê-lo, quer por seu número muito elevado, quer porque eles mesmos não sabiam quanto tempo ainda lhes restaria de vida. Se alguém se esforçava por prestar esse dever de piedade, morria também quase sempre de fazê-lo; outros arrastavam-se como podiam até o lugar de sua sepultura, para ali esperar o momento da morte, que estava próxima. No meio de tão espantosa miséria não se ouviam choros nem lamentos, não se escutavam gemidos, porque aquela fome horrível com que a alma estava inteiramente ocupada afogava todos os outros sentimentos.

Os que ainda viviam, contemplavam os mortos com olhos enxutos, e seus lábios inchados e lívidos lhes faziam ver a morte esculpida no rosto. O silêncio era tão grande em toda a cidade, como se ela tivesse sido sepultada numa noite profunda ou que lá não vivesse mais um ser humano. Em tal contingência aqueles celerados, que de tudo eram a causa principal, mais cruéis que a mesma fome e que os animais ferozes, entravam naquelas casas que eram mais sepulcros que lares, e despojavam os mortos, tiravam-lhes até as vestes, e acrescentando ainda a zombaria a tão espantosa desumanidade feriam com golpes os que ainda respiravam para experimentar se suas espadas ainda tinham gume.” (Ibid 424)

Muitos dos que conseguiam fugir da cidade para se entregar aos romanos morriam ao se alimentar, porque estavam há dias sem comer, e o faziam de forma apressada de forma a causar uma terrível indigestão.

Conta Josefo que alguns destes, antes de se entregarem aos romanos, quando possuíam ouro em suas posses, o engoliam para ter como carregá-lo consigo. Aconteceu que um dia um desses fugitivos foi surpreendido procurando ouro no meio de suas fezes, e assim, correndo esta notícia, os soldados passaram a abrir os estômagos daqueles que eram capturados para procurar ouro. Conta Josefo que numa só noite dois mil judeus foram mortos desta maneira. (Ibid 429)

Os cadáveres se entulhavam nas ruas da cidade, de maneira que era impossível se deslocar pelas ruas de Jerusalém sem que se pisasse em algum.

1 Comentário

Filed under Uncategorized

One response to “A Guerra dos Judeus contra os Romanos – Parte 7 – A fome em Jerusalém

  1. HILDEBRANDO BARBOSA GOMES

    É UMA TRISTEZA SÓ.ASSIM SERÁ O MOMENTO FINAL.