20 AC – (Anno Mundi 3876) – Herodes constroi o “terceiro Templo”

De todas as obras de Herodes, a que mais nos interessa conhecer os detalhes se refere ao Templo de Jerusalém, pois foi este o Templo visitado por Jesus.

A ele normalmente nos referimos como “Segundo Templo”, pois nossa tradição nos reporta que Herodes apenas reformou o Templo que fora reerguido por Esdras por ocasião do retorno dos judeus do exílio babilônico. Dá respaldo a ser chamado “Segundo Templo”, o texto do Profeta Ageu dirigido a Zorobabel e seus companheiros com palavras de incentivo para continuarem as obras de sua reconstrução: ” A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos”. (Ag 2:8)

Flávio Josefo, conforme referido na História dos Hebreus, Vol. 5, Cap. XIV- § 676, nos dá a entender que se trata de um “Terceiro Templo”, uma vez que o Templo de Esdras, conforme Josefo, foi desmontado e ampliado por Herodes a partir de seu 18º ano de governo.

É possível compatibilizar as duas coisas se considerarmos que o pronome demonstrativo do original hebraico (זה – zeh) do texto de Ag 2:9 traduzido por “desta”, pode igualmente ser traduzido como “daquela”, ou seja, “a glória daquela última casa”, o que poderia se referir não propriamente ao Templo de Esdras, mas ao que Jesus visitou, considerando-se, é claro, a hipótese de Josefo de serem templos distintos.

É importante considerar que Josefo foi contemporâneo deste Templo, tendo-o certamente visitado em inúmeras ocasiões. Outro fator muito importante que atesta esta possibilidade se deve ao fato de que Josefo reconheceu Jesus como o Messias esperado. Vejamos a referência contida na História dos Hebreus – Vol. 5, § 772:

“Nesse mesmo tempo apareceu JESUS, que era um homem sábio, se todavia devemos considerá-lo simplesmente como um homem, tanto suas obras eram admiráveis. Ele ensinava os que tinham prazer em ser instruídos na verdade e foi seguido não somente por muitos judeus, mas mesmo por muitos gentios.

Ele era o CRISTO. Os mais ilustres de nossa nação acusaram-no perante Pilatos e ele fê-lo crucificar. Os que o haviam amado durante a vida não o abandonaram depois da morte. Ele lhes apareceu ressuscitado e vivo no terceiro dia, como os santos profetas o tinham predito e que ele faria muitos milagres. É dele que os cristãos, que vemos ainda hoje, tiraram seu nome.”

O primeiro indício de que se trataria de um terceiro Templo se refere às suas dimensões, pois, segundo Josefo, ele foi contruído maior e mais alto que o Templo anterior. Vejamos suas próprias palavras: “Ergueu-se o Templo de cem côvados de comprimento e cento e vinte de altura. Mas os alicerces cederam e esta altura ficou reduzida a cem côvados”.

De acordo com 1 Rs 6:2, o Templo “que o rei Salomão edificou ao SENHOR era de sessenta côvados de comprimento, e de vinte côvados de largura, e de trinta côvados de altura”.

Conforme o Livro de Esdras, a única referência às dimensões do “Segundo Templo” é esta: “No primeiro ano do rei Ciro, este baixou o seguinte decreto: A casa de Deus, em Jerusalém, se reedificará para lugar em que se ofereçam sacrifícios, e seus fundamentos serão firmes; a sua altura de sessenta côvados, e a sua largura de sessenta côvados.” (Ed 6:3)

O texto de Esdras nos notifica que o projeto de construção foi desta vez determinado por Ciro, com dimensões diferentes do projeto original, e aparentemente não houve qualquer contestação a este respeito, nem da parte dos sacerdotes, nem da parte de Deus.

Parece ser este ponto bastante adequado para traçarmos um paralelo entre a revelação progressiva de Deus para os homens e a questão do Templo.

Tanto a Casa de Deus conceituada no Tabernáculo no deserto quanto a que foi construída de materiais duros por Salomão têm uma característica em comum: a extrema rigidez de detalhes com os quais foram concebidas.

Não é sequer possível imaginar que tanto uma quanto outra tivessem qualquer detalhe de suas concepções alterados ainda que minimamente.

Já uma outra situação diferente é vista na reconstrução corrdenada por Esdras, pois independente das dificuldades que circundaram esta tarefa e do extremo amor e dedicação por parte daqueles que dela participaram, houve, aparentemente uma profunda modificação no projeto de Salomão que se refere às suas dimensões.

Lembremos que quando Davi transportava para Jerusalém a Arca que por vinte anos permanecera na casa de Abinadabe ocorreu um acidente: Os bois que puxavam o carro em que esta se encontrava se desiquilibraram e Uzá tocou a Arca (2 Sm 6:6-7). Não lhe era permitido tocá-la, e por esta razão foi morto por Deus, independente de sua intenção ser a melhor possível. Que se diria então se Deus não estivesse de acordo com as modificações nos templos reconstruídos?

O que parece mais correto, é que à medida que a revelação de Deus progride, menos importância tem o Templo na relação do homem com Deus, a culminar nos tempos vindouros em que Jesus travaria o seguinte diálogo com a mulher samaritana:

“Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta. Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” (Jo 4:19-24)

Retornando ao relato de Josefo, outro indício de que seria um “Terceiro Templo” se refere à referência de o Templo original (de Esdras) haver sido desmontado por inteiro.

Herodes, segundo Josefo, não conseguiu a princípio convencer o povo de suas boas intenções pois muitos achavam que seu desejo era somente derrubar o Templo. Prometeu então não tocar o Templo antigo até que todo o material necessário para a construção do novo estivesse completamente disponível. Vejamos seu comentário:

“Empregou mil carretas para trazer as pedras, reuniu todo o material, escolheu dez mil operários dos melhores e sobre eles constituiu mil sacrificadores (sacerdotes) vestidos às suas custas, inteligentes e práticos nos trabalhos de pedreiro e carpinteiro. Depois que tudo estava preparado mandou demolir os velhos alicerces para serem reconstruídos e sobre eles ergueu-se o Templo de cem côvados de comprimento e cento e vinte de altura. Mas os alicerces depois cederam e esta altura ficou reduzida a cem côvados.”

Outro detalhe muito interessante que Josefo nos revela diz respeito ao muro de arrimo no entorno do Templo: “Herodes fez rodear por outro muro todo o sopé do montículo, embaixo do qual, do lado sul, há um profundo vale. Este muro, construído com grandes pedras ligadas com chumbo, vai até a extremidade em baixo do montículo e o rodeia por inteiro. É de forma quadrangular, tão alto e tão forte que não se poderia contemplá-lo sem admiração. Depois que este muro foi erguido, tão alto quanto o vértice do montículo, encheu-se todo o vazio que havia dentro dele. Formou-se assim uma plataforma, cujo perímetro era quatro estádios, pois cada uma das frentes tinha um estádio de comprimento e havia um pórtico colocado no meio dos dois ângulos.”

Em resumo Herodes teria aterrado o monte Moriá, vindo a construir o Templo sobre um espetacular platô o que o colocava numa altura admirável. Foi deste lugar que Satanáz desafiou Jesus. (Mt 4:5)

O tempo total de construção deste Templo, conforme Josefo, foi de nove anos e meio, tendo assim sido concluído em 11 AC. Contudo, de acordo com Jo 2:20, na visita em que Jesus expulsou os vendilhões do Templo, os judeus replicaram Jesus com estas palavras: “ Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias?” (Jo 2:20)

Quarenta e seis anos contados a partir da data de início da construção por Herodes nos levaria ao ano 27 DC, um ano antes de Jesus ser batizado. Desta forma, ou este judeu estava enganado ou sabia de alguma coisa que não sabemos. A conclusão de se tratar de um segundo ou terceiro Templo é de menor importância e do foro de cada um, mas o fato é que o relato de Josefo não invalida o de Esdras e vice-versa.

2 comentários

Filed under Uncategorized

2 responses to “20 AC – (Anno Mundi 3876) – Herodes constroi o “terceiro Templo”

  1. Pingback: Índice (clique para acessar) | Cronologia da Bíblia

  2. Tito

    O trecho que atribui a Flavius Josephos o reconhecimento de Jesus como Messias e Cristo é, para os autores mais sérios, mera interpolação. Nas edições que tenho da Guerra do Judeus e das Antiguidades Judaicas não aparece tal trecho.