O mais longo dos dias da Bíblia

1408 AC – (Anno Mundi 2488) – o mais longo dos dias da Bíblia
Depois das conquistas de Jericó e Ai, os povos de Gibeom, Cefira, Beerote, e Quiriate-Jearim enganaram Josué e fizeram com Israel um pacto de não agressão. Por conta deste pacto, cinco reis dos amorreus que habitavam no entorno, a saber: de Jerusalém, Hebrom, Jarmute, Laquis e Eglom intentaram destruir Gibeon, que por sua vez pede ajuda a Israel.

Trata-se do primeiro embate entre Israel e os habitantes de Jerusalém. Israel vai à guerra em auxílio a Gibeon contra estes cinco reis naquele que é conhecido com o mais longo dos dias da Bíblia.

No auge da batalha Josué pede, diante de todo povo de Israel, que Deus pare o tempo para que o inimigo possa ser vencido ainda aquele dia. Vejamos como reporta este fato Js 10:12-14: “Então Josué falou ao Senhor, no dia em que o Senhor deu os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, e disse na presença dos israelitas: Sol, detém-te em Gibeom, e tu, lua, no vale de Ajalom. E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no livro de Jasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro. E não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o Senhor assim a voz de um homem; porque o Senhor pelejava por Israel.”

Tal citação encontra-se também em Jasher 88:63-65: “E quando eles (Israel) os feriam, o dia declinava para o entardecer, e Josué disse à vista de todo povo: Sol, mantenha-te sobre Gibeão, e tu, Lua, no Vale de Ajalom, até que a nação tenha se vingado de seus inimigos.

E o Senhor ouviu a voz de Josué, e o sol imobilizou-se no meio dos céus, e permaneceu imóvel, e a lua também se manteve imóvel e não se apressou a descer por todo dia. E não houve dia como aquele, antes ou depois, em que o Senhor ouviu a voz de um homem, pois o Senhor lutou por Israel.” (Jasher 88:63-65)

De acordo com a Seder Olam Rabbah, este evento ocorreu no dia 3 de Tammuz (Junho / Julho) do Anno Mundi 2488.

Num comentário sobre assunto, o Rabi Yose Bar Halafta diz que este foi o dia do solstício do verão, decorrendo disto que naquele ano, equinócio da primavera se deu no dia primeiro de Nisã. (Seder Olam, The Rabbinic view of Biblical Chronology, commented by Heinrich Guggenheimer, Cap 11, Joshua, página 112)

Seja como for, o pedido de Josué a Deus parou, para quem acredita que a Terra gira em torno do Sol, a rotação de uma esfera de aproximadamente (6E+24) kilos (seis sestrilhôes de toneladas). Para quem lê atentamente a Palavra de Deus, parou o Sol, que por suposto é quem gira em torno da Terra.

6 comentários

Filed under Uncategorized

6 responses to “O mais longo dos dias da Bíblia

  1. Pingback: Índice (clique para acessar) | Cronologia da Bíblia

  2. José Valadares de Campos

    SANCTA SIMPLICITAS…

  3. Hummm… para que isto, Valadares?

    Sancta simplicitas quer dizer santa simplicidade, expressão normalmente utilizada para rebaixar ao ridículo um argumento exposto. É um termo muito empregado no “juridiquêz” quando o advogado quer dizer que a contraparte disse uma bobagem inaceitável.

    A expressão é também muito conhecida na teologia, pois é tida como a última coisa dita pelo reformador tcheco João Huss que morreu queimado na fogueira da inquisição católica em 1415. Huss, amarrado ao poste onde seria queimado vivo, observava uma velinha, que tendo juntando muitos gravetos, os atirava à lenha que seria utilizada na sua execução. Não se conteve e exclamou: ‘sancta simplicitas”.

    Se a idéia é ofender, ou ridicularizar o comentário, saiba que a expressão que você utiliza é absolutamente adequada, mas aponta justamente para o lado oposto ao que você propõe: O Evangelho, e me permita aqui chamar a Bíblia toda de Evangelho, é feito de simplicidades. De fato, amigo Valadares, o Evangelho é feito de simplicidades.

    Coeli enarrant gloriam Dei (Os céus narram a glória de Deus).

    • José Valadares de Campos

      Estás equivocado quanto à atitude do Huss – ele foi, na minha opinião, juntamente com Jerônimo de Praga, John Wayclif e Erasmo de Roterdã, um dos quatro verdadeiros protestantes – e o que ele fez (se é que fez) no momento em que já teria sido acesa a fogueira, foi um último exemplo de caridade, pois conta-se que o reconhecido mártir do cristianismo moderno interrompeu suas últimas preces terrenas, olhou a velhinha enternecidamente por algum tempo, após o que teria dito, EM LATIM, para não consterná-la: “Sancta simplicitas!”

  4. GILMAR BISPO

    O SENHOR NOSSO DEUS É TREMENDO.

  5. HILDEBRANDO BARBOSA GOMES

    AQUI ESTÁ A VERDADE ATRAVES DE NÚMEROS.DOS AMIGOS SIMPLICIDADE.