A primeira Páscoa

1448 AC – (Anno Mundi 2448) – a instituição da Páscoa
Cabe aqui uma melhor explicação sobre a décima praga, pois é neste momento histórico que se dá a instituição da festa da Páscoa entre os judeus.

O significado da palavra Páscoa (PESSACH) pode ser entendido simplesmente por “passagem”, pois representa a passagem do anjo da morte sobre o Egito para tomar a vida de todo primogênito, tanto de homens, como de animais.

Deus disse a Moisés que naquele mês o povo partiria do Egito para a Terra Prometida e que este mês deveria ser contado no calendário como o primeiro do ano, o qual os judeus chamam de Nisã e também de Abibe.

Portanto, o início do ano judaico começa com os preparativos para a celebração da Páscoa. O mês judaico de Nisã equivale ao nosso mês de Abril ou, às vezes, ao mês de Março.

No judaísmo moderno, no entanto, os judeus celebram seu ano novo no mês de Tishrei (Setembro), pois segundo a tradição judaica, foi neste mês que Deus criou o homem.

Conforme o Capítulo 12 do Livro de Êxodo, a instrução de Deus para o povo era que no décimo dia daquele mês cada família deveria tomar para si um cordeiro macho de um ano, sem nenhum defeito, para que na tarde do dia 14 este cordeiro fosse sacrificado para a Páscoa. Se a família fosse pequena ela poderia dividir o cordeiro com outra família, porque depois da celebração da Páscoa, nada do cordeiro deveria ser guardado para o dia seguinte, e sim, queimado aquilo que sobrasse.

O sangue do cordeiro deveria ser então pintado nas ombreiras e na verga da porta da casa de cada um, de maneira que quando à meia noite daquele dia, passasse pelo Egito o anjo da morte, vendo ele aquele sinal na porta não entraria naquela casa, e assim a vida dos primogênitos seria poupada. Nas casas onde não houvesse aquele sinal, o primogênito seria morto, tanto homem como animal (Ex 13:15).

Depois de marcada com sangue a porta, a família deveria se recolher à casa e de maneira nenhuma sair dela até o amanhecer. A carne do cordeiro da Páscoa deveria ser assada no fogo e comida com ervas amargas e pães ázimos, quer dizer, pães sem fermento. Nenhum osso do cordeiro poderia ser quebrado. Aquilo que sobrasse do cordeiro deveria ser queimado no fogo, não devendo ficar nada para o dia seguinte.

As pessoas deveriam comer a Páscoa apressadamente, vestidas para uma viagem, com os pés calçados, e os homens com seus cajados à mão para simbolizar que estavam de partida. O pão sem fermento simboliza a pressa que tinham em sair daquele lugar e as ervas amargas serviriam para lembrar os duros tempos de escravidão no Egito.

A instrução de Deus foi que esta festa deveria ser celebrada não só aquele dia, mas para sempre pelos judeus, todos os anos na mesma época, e que quando os filhos perguntassem aos pais o significado da Páscoa, deveriam ser ensinados que o Senhor passou pelo Egito e livrou os filhos de Israel. A Páscoa dos judeus celebra a libertação do povo da escravidão do Egito.

Mil quatrocentos e setenta e sete anos depois disto aconteceria de Nosso Senhor Jesus Cristo ser crucificado durante a Páscoa. Seu sangue foi derramado na cruz do calvário para nos libertar da escravidão do pecado. Seria isto uma coincidência? De maneira nenhuma. A Páscoa e o sacrifício de Jesus estão intimamente ligados como veremos adiante. A Páscoa, ocorreu, portanto, no dia 14 de Nisã do Anno Mundi 2448, véspera do Êxodo de Israel.

5 Comentários

Filed under Uncategorized

5 responses to “A primeira Páscoa

  1. odair carlos leite

    CONSIDERANDO QUE O DILÚVIO FOI NO ANO MUNI DE 1656 E A LIBERTAÇÃO DO EGITO FOI MIL ANOS APÓS NO ANO MUNDI DE 2.656 E NAQUELE ANO MOISÉS ESTAVA COM 80 (OITENTA) ANOS DE IDADE E JESUS NASCEU NI ANO MUNDI DE 3996 E FOI BATIZADO EM 4,027 COM 30 ANOS IDADE E POR TRÊS ANOS E MEIO = 42 MESES E MORREU COM 33 ANOS E MEIO NO ANO 4,030. ESTE É O CORRETO E NÃO COMO VSA, MENCIONOU É SÓ FAZER ASO CONTAS A PARTIR DE 130 ANOS QUANDO ADÃO TINHA DE IDADE AO NASCER O SETE NOME DO TERCEIRO FILHO. E ISTO EU FIS MUITOS CONTAS E BATEU COM AS DO DICIONÁRIO BÍBLICO UNIVERSAL DE 1953 . BENÇÃOS E SE CORRIJAM ..

  2. Prezado Odair, como está?
    O Êxodo, conforme a contagem bíblica, foi em 2.448, e não 2.656. Não seguimos o Dicionário Bíblico, mas a Bíblia. Não há o que corrigir.

    • cicero alveshttps://gravatar.com/site/signup/

      Boa noite meu irmão “Cronologia da Bíblia”.
      A tradição do povo judeu – segundo pude entender -, insere a parte final do ano 3761 do “início do mundo”, dentro do nosso ano primeiro (1 d.C). Esse modo judaico de contar os anos desde Adão (o início do mundo), continua sendo aceito até os dias de hoje pelos calendaristas judeus (possivelmente cristãos). Por exemplo, esse ano 2015, dá-se o início do ano 5776. Daí, pergunto, ao irmão, de onde surgiu esse modo diferente que você usa para determinar certas ocorrências bíblicas? O quê quer dizer o irmão, quando fala: 1448 a.C – (Anno mundi 2448)? Por acaso, não deveria ser 1315 a.C? Gostaria de ouvir (ler) o seu comentário sobre essa questão.
      Que Jesus continue a te iluminar, de modo que possa dar continuidade a esse trabalho, como já havia dito, muito bom.

    • cicero alveshttps://gravatar.com/site/signup/

      Boa tarde irmão “cronologia da bíblia”.
      Lí o site que você indicou, muito bom.
      Haja vista que, o texto bíblico ou, qualquer coisa escrita, quando lida por diversas pessoas, haverá sempre pequenas divergências na interpretação do conteúdo, o que considero muito normal isso, certa vez, ouvir de um magistrado – doutor da lei dos humanos -, em Brasília DF. dizer tais palavras: “segundo a interpretação da lei…” – ele discordava dos outros, também doutores da lei, sobre determinado assunto -, note, que é a lei que eles mesmos escreveram. É o caso do Odair Carlos Leite, onde as suas observações relativas as datas, é bem coerente. Usando outros argumentos, escritos nos livros sagrados (Escrituras Sagradas) – A.T. e o N.T- chegamos a seguinte conclusão: Mateus, no primeiro capítulo, descreve a genealogia de Jesus, e diz que, de Abraão até Jesus, se passaram 42 gerações, e, de Abraão até Adão, contamos 19 gerações que se somam as 42 gerações, totalizando 61 gerações. Como é do nosso conhecimento que, uma geração equivale a 72 anos, logo, passaram 4404 anos entre Adão e o Messias (Cristo-Jesus). Daí, vem a pergunta! esse espaço de tempo (4404 anos) conta-se a partir de quando? Do nascimento de Jesus? Do ano da divisão dos tempos a.C. / d.C. – o primeiro da nossa era (1 d.C) -, ou, da sua unção (batismo no rio Jordão)?
      Eu, fico com a hipótese de que o marco zero será o ano “primeiro” (1 d.C), Pois que ele (Jesus), digamos que, universalmente, quando se trata de fatos históricos, que queiram ou não, os historiadores mencionam o a.C. / d.C

      Que Deus te abençoe e Jesus continue a iluminar os teus caminhos.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s