Yearly Archives: 2010

O nascimento dos filhos de Jacó

Nascimento dos filhos de Jacó

1704 AC – (Anno Mundi 2192) – os casamentos de Jacó
Logo que chegou a Padâ-Harã Jacó conheceu Raquel, filha de seu tio Labão, irmão de Rebeca, sua mãe, por quem se apaixonou de imediato. Fez então um acordo com Labão de trabalhar pela mão de Raquel por 7 anos.

Jacó e Raquel - Gerbrand van den Eeckhout

Passado este tempo, portanto, no Anno Mundi 2192, foi feito o casamento, mas apenas no dia seguinte Jacó veio a descobrir que se casara com Léia (ou Lia). Quando questionou o sogro este lhe respondeu: “Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita. Cumpre a semana desta; então te daremos também a outra, pelo serviço que ainda outros sete anos comigo servires. E Jacó fez assim, e cumpriu a semana de Lia; então lhe deu por mulher Raquel sua filha” (Gn 29:26-28).

Jacó casou-se, portanto, com Lia e uma semana depois com Raquel, vindo a trabalhar pelo seu dote mais 7 anos. Jacó teria na ocasião 84 anos de idade enquanto que Lia e Raquel teriam 29 anos, a mesma idade, uma vez que eram gêmeas.

Labão deu de presente a cada filha uma serva: a Leia deu Zilpa e a Raquel, Bila. Ambas serão dadas por suas esposas no futuro a Jacó por concubinas e gerarão filhos.

Inspirado por esta união tempestuosa, cheia de disputas entre as esposas, Moisés editou uma lei proibindo tal tipo de casamento: “E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez diante dela em sua vida” (Lv 18:18).

Gênesis nos conta que Raquel era uma mulher bonita enquanto Léia tinha olhos que chamavam atenção. De acordo com Gn 29:17: “Lia tinha olhos tenros, mas Raquel era de formoso semblante e formosa à vista”.

Existem observações preciosas da parte da tradição judaica quanto à natureza destas duas mulheres. O Talmude diz, por exemplo, que Leia e Raquel eram gêmeas, com o que concorda Jasher, sendo esta a razão pela qual Jacó foi enganado tão facilmente. Diz também que Leia tinha olhos de uma mulher que chora constantemente, e que isto se devia ao sofrimento causado pela possibilidade, por ser a filha mais velha, de ter que vir a se casar com seu primo Esaú, homem de má fama, o mais velho dos filhos de Jacó, que por este motivo teria direitos sobre ela.

A tradição diz que Leia era uma mulher de oração, conforme demonstrava a expressão de seus olhos, e desta maneira conseguiu suplantar o seu destino.

Quanto ao futuro destas mulheres, Leia, além de haver gerado ela própria seis filhos e uma filha, entre eles estão Judá e Levi, de quem descenderão os reis e os sacerdotes de Israel. De Raquel também descenderão reis, mas enquanto os descendentes de Leia serão perenes, os de Raquel serão passageiros. Israel desaparecerá do cenário enquanto Judá, na plenitude dos tempos congregará a judéia, terra onde nascerá Jesus.

1704 AC a 1697 AC (2192 A.M. a 2199 A.M.) – os filhos de Jacó
Como já vimos pouco atrás, na passagem que se refere à benção dada a Jacó, temos a data exata do nascimento de José, em 2199 A.M., mas no período entre 2192 A.M. e 2198 A.M. não temos as datas precisas dos nascimentos dos demais filhos, mas temos a sequência dos nascimentos e sabemos que ocorreram todos no segundo período de 7 anos de Jacó em casa de Labão, lembrando que Jacó teve quatro mulheres que lhe geraram filhos.

1704 AC – (Anno Mundi 2192) – nascimento de Rubem – primogênito de Jacó, primeiro filho de Léia e Jacó(Gn 29:32);

1703 AC – (Anno Mundi 2193) – nascimento de Simeão – segundo filho de Léia e Jacó (Gn 29:33);

1702 AC – (Anno Mundi 2194) – nascimento de Levi – terceiro filho de Léia e Jacó (Gn 29:34);

1701 AC – (Anno Mundi 2195) – nascimento de Judá – quarto filho de Léia e Jacó (Gn 29:35);

1701 AC – (Anno Mundi 2195) – nascimento de Dã – quinto filho de Jacó, primeiro de Bila, serva de Raquel (Gn 30:4-6)

1700 AC – (Anno Mundi 2196) – nascimento de Naftali – sexto filho de Jacó, segundo de Bila, serva de Raquel (Gn 30:6-8);

1700 AC – (Anno Mundi 2196) – nascimento de Gade – sétimo filho de Jacó, primeiro filho de Zilpa, serva de Léia (Gn 30:9-10);

1699 AC – (Anno Mundi 2197) – nascimento de Aser – oitavo filho de Jacó, segundo filho de Zilpa, serva de Leia (Gn 30:12-13);

1699 AC – (Anno Mundi 2197) – nascimento de Issacar – nono filho de Jacó, quinto filho de Leia (Gn 30:17-18);

1698 AC – (Anno Mundi 2198) – nascimento de Zebulom – décimo filho de Jacó, sexto filho de Leia (Gn 30:19-20);

1697 AC – (Anno Mundi 2199) – nascimento de Diná – primeira filha de Jacó, primeira filha de Léia (Gn30:21);

1697 AC – (Anno Mundi 2199) – nascimento de José – décimo primeiro filho de Jacó, primeiro filho de Raquel (Gn 41:46).

Conforme já conferimos a exatidão da data, nasce no Anno Mundi 2199 José, primeiro filho de Raquel, décimo primeiro filho de Jacó, que tinha na ocasião, 91 anos de idade. Foram estes os filhos que nasceram a Jacó durante os 14 anos em que permaneceu em Padã Harã. Tanto o Talmude quanto a Seder Olam Rabbah estão de acordo com as mesmas datas.

Conforme veremos adiante, a data do nascimento de José pode também ser confirmada, conforme os apontamentos bíblicos, por cálculos que retrocedem desde a morte de Jacó, que viveu seus 17 últimos anos no Egito. Para melhor entendimento acesse o link: 1658 AC – (Anno Mundi 2238) – A chegada de Israel e sua família para o Egito

13 Comentários

Filed under Uncategorized

A benção de Jacó

1725 AC – (Anno Mundi 2171) – a benção de Jacó
1711 AC – (Anno Mundi 2185) – a partida para Padã-Arã
Provavelmente, motivado pela morte de seu irmão Ismael, Isaque passou a imaginar que também a sua própria morte poderia estar próxima, por isto decidiu que era a hora de dar a sua benção ao filho que o sucederia na herança da promessa de Deus a Abraão. Não se pode afirmar com certeza a data em que Isaque teria dado sua benção a Jacó, pois Gênesis não é claro quanto a isto.

Isaque abençoa Jacó - Gioachino Assereto

O livro de Jasher, em seu capítulo 29 afirma que após receber a benção da primogenitura, Jacó, para fugir à ira de seu irmão buscou refúgio na casa de Eber, pai de Pelegue, onde permaneceu por catorze anos (Jasher 29:20). Com isto, estão de acordo o Talmude Babilônico e a Seder Olam Rabbah. Neste caso, a benção teria sido dada no mesmo ano em que faleceu Ismael, o que em termos cronológicos é bastante possível.

Entre a morte de Ismael e a partida de Jacó para Padã-Arã passaram-se catorze anos e é natural, pela leitura bíblica, que se conclua que a benção de Jacó e sua partida para Padã-Arã sejam eventos consecutivos, tendo, portanto, acontecido no mesmo ano. Sabemos, no entanto, com precisão, a data em que Jacó seguiu para Padã-Arã. Vamos aos cálculos:

Jacó nasceu no Anno Mundi 2108 e faleceu no Anno Mundi 2255 aos 147 anos de idade: (2108 + 147 = 2255).
De acordo com Gênesis, Jacó viveu seus 17 últimos anos de vida no Egito: “Jacó viveu na terra do Egito dezessete anos, de sorte que os dias de Jacó, os anos da sua vida, foram cento e quarenta e sete anos” (Gn 47:28). Temos, portanto, que Jacó encontrou-se com José seu filho, na ocasião, governador do Egito, no Anno Mundi 2238, resultado de (2255-17).

Sabemos que Jacó e seus filhos se mudaram para o Egito no mesmo ano em que José se revelou a seus irmãos e sabemos que quando isto aconteceu, José mencionou que já haviam se passado dois anos e fome e que mais cinco anos ainda restavam, aconselhando desta forma que seus irmãos trouxessem Jacó e o restante da família para estarem seguros no Egito, conforme o relato de Gn 45:6: “Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega”.

Temos, portanto, que o início do período de fome se iniciou no Anno Mundi 2236, e ainda que 7 anos antes disto, no Anno Mundi 2229, iniciou-se o período de 7 anos de fartura. José foi nomeado governador do Egito nesta ocasião, portanto, em 2229 A.M;

De acordo com Gn 41:46, José teria na ocasião, 30 anos de idade. “E José era da idade de trinta anos quando se apresentou a Faraó, rei do Egito. E saiu José da presença de Faraó e passou por toda a terra do Egito”, de onde se conclui que José nasceu no Anno Mundi 2199, resultado de (2229 – 30).

Quando José nasceu, Jacó relembra seu sogro que já havia trabalhado 14 anos para pagar pelo dote de suas duas esposas e que desejava voltar para sua terra. Na verdade Jacó fica em Parã-Arã mais 6 anos antes de voltar. Todavia, se subtrairmos do ano de nascimento de José os 14 anos mencionados, teremos a data em que Jacó chegou a Padã-Arã, 2185 A.M. (2199 – 14).

Ismael faleceu no Anno Mundi 2171 (1725 AC), mesmo ano em que Isaque viria pouco tempo depois dar a sua benção a Jacó. Segue-se à benção um período de 14 anos de silêncio, de onde se conclui que Jacó esteve submetido a uma espécie de exilo durante este tempo.

Só depois destes 14 anos anos Jacó se põe a caminho de Padâ-Harã, no Anno Mundi 2185 (1711 AC), de onde se conclui que tinha na ocasião 77 anos de idade enquanto seu pai Isaque, 137 anos. Normalmente costumamos pensar que Jacó seria bem mais jovem na ocasião.

1709 AC – (Anno Mundi 2187) – morte de Eber
Conforme Gn 11:17, Eber faleceu aos 464 anos de idade: “E viveu Éber, depois que gerou a Pelegue, quatrocentos e trinta anos, e gerou filhos e filhas”, (1757 + 430).

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

Os nascimentos de Jacó e Esaú

1788 AC – (Anno Mundi 2018) – nascimentos de Jacó e Esáu
No Anno Mundi 2108, resultado de (2048 + 60), nasceram Esaú e Jacó. Isaque tinha na ocasião 60 anos de idade e Abraão, 160 anos. As três gerações de patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó conviverão ainda 15 anos, até a morte de Abraão.

Nascimento de Jacó e Esau - Benjamin West

Gn 25:24-26 – “E cumprindo-se os seus dias para dar à luz, eis gêmeos no seu ventre. E saiu o primeiro ruivo e todo como um vestido de pêlo; por isso chamaram o seu nome Esaú. E depois saiu o seu irmão, agarrada sua mão ao calcanhar de Esaú; por isso se chamou o seu nome Jacó. E era Isaque da idade de sessenta anos quando os gerou”.

1773 AC – (Anno Mundi 2123) – morte de Abraão
Quinze anos após o nascimento de Jacó faleceu Abraão, aos 175 anos de idade, no Anno Mundi 2123, resultado da soma de seu nascimento com seus anos de vida (1948 + 175).

1770 AC – (Anno Mundi 2126) – morte de Selá
No Anno Mundi 2126 morreu Selá, aos 435 anos de idade, 30 anos depois da morte de seu pai, Arfaxade, o primeiro nascido depois do dilúvio. Conforme Gn 11:15: “Viveu Selá, depois que gerou a Éber, quatrocentos e três anos, e gerou filhos e filhas”. (1723 + 403)

1768 AC – (Anno Mundi 2128) – Esaú vende sua primogenitura
Gênesis não relata a data em que Esaú vendeu sua primogenitura a Jacó, no entanto, é possível supor que Jacó e Esaú estivessem com cerca de 20 anos de idade (2128 A.M.), baseado em Gn 25:27 que nos diz que “cresceram os meninos, e Esaú foi homem perito na caça, homem do campo; mas Jacó era homem simples, habitando em tendas”.

Já não eram mais meninos e o conceito de adulto nos obriga a pensar que teriam cerca de vinte anos ou pouco mais, a idade em que segundo o costume dos Israelitas, um homem poderia ir à guerra.

1768 AC a 1748 AC – (2128 A.M. a 2148 A.M.)
Este foi um tempo de peregrinações para Isaque, que andou por Gerar, fugindo da escassez de alimentos naquela época, e depois para Berseba. Foi neste tempo que o rei de Gerar procurou Isaque para fazer com este um pacto de não agressão.

1748 AC – (Anno Mundi 2148) – Esaú se casa
Esaú casou-se aos 40 anos de idade, conforme Gn 26:34, com duas mulheres hetéias: “Ora, sendo Esaú da idade de quarenta anos, tomou por mulher a Judite, filha de Beeri, heteu, e a Basemate, filha de Elom, heteu”.

Este fato trouxe muitas preocupações para seus pais que não desejavam que seus filhos convivessem com mulheres de religiões pagãs, pois sabia que fatalmente elas desviariam seus filhos da religião de seu pai. Foi no Anno Mundi 2148 (2108 + 40).

1738 AC – (Anno Mundi 2158) – morte de Sem
Sem, filho de Noé, faleceu no Anno Mundi de 2158 aos 600 anos de idade, conforme Gn 11:11: “E viveu Sem, depois que gerou a Arfaxade, quinhentos anos, e gerou filhos e filhas”, resultado de (1658 + 500).

1733 AC – (Anno Mundi 2163) – nascimento de Leia e Raquel
Gênesis não registra as datas de nascimento ou morte de Leia e Raquel. No entanto, Jasher 36:1-11 dá conta de que Raquel morreu aos quarenta e cinco anos de idade, quando Jacó teria cem anos.

Teria morrido, portanto, no Anno Mundi 2.208. Subtraindo-se seus quarenta e cinco anos vividos, temos o Anno Mundi 2163 como ano de seu nascimento. Da mesma forma, Jasher (41:2) afirma que ano cento e seis da vida de Jacó, décimo ano desde sua saída de Padã-Arã, Leia veio a falecer aos 51 anos de idade. Os dois cálculos nos remetem ao Anno Mundi 2163. Eram, portanto, gêmeas, sendo Leia a mais velha.

1725 AC – (Anno Mundi 2171) – morte de Ismael
Ismael faleceu com 137 anos de idade, 48 anos depois da morte de seu pai Abraão. Conforme Gn 25:17: “E estes são os anos da vida de Ismael, cento e trinta e sete anos, e ele expirou e, morrendo, foi congregado ao seu povo” – no Anno Mundi 2171, resultado de (2034 + 137).

Deixe o seu comentário

Filed under Uncategorized

A duração das vidas dos homens depois do dilúvio

1800 AC – (Anno Mundi 2096) – morte de Arfaxade
No Anno Mundi de 2096 morre Arfaxade, filho de Sem, neto de Noé, o primeiro homem nascido depois do dilúvio, com 438 anos de idade. Arfaxade viveu praticamente a metade do tempo dos seus ancestrais pré-diluvianos.

Nota-se, neste período da história, um acentuado decréscimo na expectativa de vida dos homens. Conforme vimos, ao passar pelas datas referentes a Babel, o Talmude atribui a Eber a qualificação de grande profeta de Deus, pois deu a seu filho mais velho o nome de Pelegue, que significa “divisão”, referindo-se ao fato de que nos dias de Pelegue a terra foi dividida (Gn 10:25) e Joctã, ao filho mais novo, que significa “encurtar”, tendo desta forma entendido, quer por revelação divina, quer por observação dos fatos, que os homens já não viviam tanto tempo.

Falemos um pouco sobre Gn 6:3: “Então disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos”.

Entendem alguns, que Gn 6:3 faz referência ao tempo de antecedência em que Deus adverte Noé sobre o dilúvio. Faz sentido. Seria então, o Anno Mundi 1536, vinte anos antes do nascimento de Jafé, filho de Noé, cento e vinte anos antes do dilúvio.

No entanto, não se pode ignorar o fato de que a longevidade das vidas dos homens depois do dilúvio sofreu um acentuado decréscimo, indo se estabilizar nos cento e vinte anos, idade de Moisés ao falecer. Depois dele não se tem notícia na Bíblia de quem tenha ultrapassado esta idade. É, portanto, inegável que Deus tenha alterado nossa genética, ou ainda, as condições atmosféricas depois do dilúvio, de maneira a limitar nosso tempo de vida. Vejamos os gráficos abaixo que se baseiam em levantamento de dados referentes às gerações relatadas na Bíblia de Adão a Moisés.

De fato, a forma como Deus implementou esta alteração vai além da nossa compreensão, pois de alguma forma, a idade dos homens nascidos após o dilúvio foi declinando acentuadamente até o limite estabelecido de cento e vinte anos, e continuou a declinar até os tempos modernos, seguindo a mesma trajetória descendente, se bem que por fatores que comentaremos abaixo.

Embora a narrativa de Gênesis nos induza a pensar que a decisão de Deus tenha ocorrido em data próxima ao dilúvio, é preciso notar que a ordem dos acontecimentos relatados não é cronológica, mas sim, contextualizada.

Ao analisarmos a tabela acima notamos que a idade de Sem ao morrer difere muito da de seus ancestrais, pois viveu 68% da média de tempo de vida de seus predecessores, o que nos força a aceitar que a decisão de Deus de limitar a idade do homem ocorreu antes de seu nascimento. A partir de Sem os homens viverão cada vez menos tempo.

A idade de Arfaxade ao morrer, o primeiro nascido depois do dilúvio, era de 438 anos, 162 a menos que Sem.

Vejamos os dados da geração de Arfaxade: considerando que a idade média dos homens anteriores ao dilúvio era de 881 anos, e que a idade de Sem ao morrer foi de 600 anos, conforme os dados acima extraídos de Gênesis, concluímos que houve um declínio de 29% na expectativa de vida dos homens daquela geração, ou seja, aqueles que nasceram até 100 anos depois do dilúvio tiveram menos da metade de tempo de vida que os primeiros homens. A expectativa média de vida desta segunda geração veio a ser de 424 anos de idade.

Notamos outro decréscimo acentuado, de mais 53%, com relação à geração anterior, na expectativa de vida das gerações seguintes, nascidas entre 100 e pouco menos de 200 anos depois da determinação de Deus: estas gerações tiveram uma expectativa de vida de 225 anos de idade, 47% da anterior, e 26% da expectativa de vida das gerações pré-dilúvio.

As gerações seguintes, nascidas entre aproximadamente 200 a 300 anos após o dilúvio tiveram uma tempo médio de vida de 176 anos, o que representava apenas 20% da expectativa de vida dos primeiros homens, e um declínio de 22% com relação à anterior.

A queda se mostra contínua nas gerações seguintes, nascidas entre aproximadamente 300 a 400 anos após o dilúvio, com um declínio de 16% com relação à geração anterior, representando cerca de apenas 17% do tempo de vida dos homens primitivos.

Segue-se o mesmo nas gerações entre aproximadamente 450 a 700 anos após o dilúvio, que registram um tempo médio de vida de 131 anos de idade, 15% da vida dos homens primitivos e 11% a menos que a geração anterior.

Interessante notar que é apenas no tempo de Moisés, nascido mais de 700 anos após o dilúvio, que o decreto de Deus se cumpre integralmente. Moisés, diga-se como curiosidade, morreu justamente no dia em que completava 120 anos de idade.

Quanto ao homem de nossos dias, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maior expectativa de vida é a dos japoneses, com 77 anos, o que representa menos de 10% da vida dos homens anteriores à determinação de Deus. Em Moçambique a expectativa de vida para homens é de 41 anos.
Nos dias de hoje, com todos os avanços da medicina, sabe-se que se pode viver até cerca de cento e vinte anos e com qualidade de vida.

No entanto, o que se observa, segundo dados da ONU citados em 17 de Junho de 2009 por ocasião do Dia Mundial de Luta Contra a Desertificação e a Seca, há uma tendência de diminuição da expectativa média de vida da humanidade, não só em função dos graves transtornos causados em decorrência da escassez de alimentos no futuro breve, mas também pela falta de água tratada para consumo humano, guerras, desajustes climáticos, e um sem número de outros fenômenos adversos, todos eles causados pelo homem. Curiosamente a tendência é a continuidade do declínio em termos de expectativa média de vida.

Gráfico analítico da expectativa de vida dos homens

A curva acentuada de declínio que vemos no gráfico acima, localizada pouco antes do ano -1000 se refere a Enoque, que foi arrebatado por Deus no Anno Mundi 987, quando tinha 365 anos de idade, não tendo desta forma experimentado a morte.

15 Comentários

Filed under Uncategorized

Os casamentos de Isaque e Abraão

Rebeca e Isaque - Claude Lorrain

1808 AC – (Anno Mundi 2088) – casamento de Isaque
Isaque casou-se com Rebeca quando tinha 40 anos de idade, portanto, no Anno Mundi 2088, somados seu nascimento à sua idade na ocasião (2048 + 40). “E era Isaque da idade de quarenta anos, quando tomou por mulher a Rebeca, filha de Betuel, arameu de Padã-Arã, irmã de Labão, arameu”. Gn 25:20

1806 AC – (Anno Mundi 2090) – Abraão casa com Quetura
Cerca de cinco anos depois da morte de Sara, Abraão toma Quetura por mulhar, que vem a ser mãe de seus outros seis filhos, a saber, Zinrã, Jocsã, Medã, Midiã, Jisbaque e Suá.

Acerca destes filhos, a Bíblia nos dá notícia de Midiã, quando muito no futuro, Moisés, fugindo do Egito, se refugia em terras com este nome, conforme relatado em Ex 2:15: “Ouvindo, pois, Faraó este caso, procurou matar a Moisés; mas Moisés fugiu de diante da face de Faraó, e habitou na terra de Midiã, e assentou-se junto a um poço”.

De resto, os midianitas se tornaram inimigos de Israel, a tal ponto, que a última ordem dada por Deus a Moisés, antes de sua morte, foi dar combate a este povo, conforme Nm 31:2: “Vinga os filhos de Israel dos midianitas; depois recolhido serás ao teu povo”.

4 Comentários

Filed under Uncategorized

O sacrifício de Isaque

1811 AC – (Anno Mundi 2085) – sacrifício de Isaque
Não há, em Gênesis (Gn 22:2), nenhuma indicação sobre a data em que Deus pede a Abraão a vida de Isaque em sacrifício, mas foi próximo à morte de Sara.

O Sacrifício de Isaque - Rembrandt

Jasher 22:53 indica que teria sido no ano 37 da vida de Isaque, poucos dias antes da morte de Sara. Faz também um interessante comentário sobre o fato de que Isaque tinha conhecimento de que ele próprio seria sacrificado por Abraão.

1811 AC – (Anno Mundi 2085) – morte de Sara
Depois de Berseba, sabemos que Abraão se deslocou para Hebrom, pois foi ali que morreu Sara, aos 127 anos de idade, no Anno Mundi 2085 (1958 + 127). “E foi a vida de Sara cento e vinte e sete anos; estes foram os anos da vida de Sara. E morreu Sara em Quiriate-Arba, que é Hebrom, na terra de Canaã; e veio Abraão lamentar Sara e chorar por ela”. Gn 23:1-2

1809 AC – (Anno Mundi 2087) – Abraão manda buscar esposa para Isaque
Depois da morte de Sara, Abraão, preocupado com a possibilidade de Isaque vir a se casar com uma mulher de Canaã, cujos costumes eram diferentes dos seus, manda Eliézer, homem nascido em Damasco, seu empregado de mais confiança, à terra de seu nascimento, Ur, na caldéia, buscar uma mulher para seu filho.
Abraão já sabia que poderia buscar uma esposa para Isaque junto à descendência de Naor, seu irmão.

Vejamos Gn 22:20-24: “E sucedeu depois destas coisas, que anunciaram a Abraão, dizendo: Eis que também Milca deu filhos a Naor teu irmão. Uz o seu primogênito, e Buz seu irmão, e Quemuel, pai de Arã, E Quésede, e Hazo, e Pildas, e Jidlafe, e Betuel. E Betuel gerou Rebeca. Estes oito deu à luz Milca a Naor, irmão de Abraão. E a sua concubina, cujo nome era Reumá, ela lhe deu também a Tebá, Gaã, Taás e Maaca”.

Guiado pela mão de Deus, Eliezer vai ter justamente com Rebeca, que era filha de Betuel, filho de Naor, o irmão de Abraão que não acompanhara a família quando esta decidiu sair da caldéia. Rebeca tinha um irmão de nome Labão, que no futuro será o sogro de Jacó. É razoável se datar por estimativa este acontecimento como tendo acontecido um ano antes do casamento de Isaque com Rebeca, no Anno Mundi 2087.

1809 AC – (Anno Mundi 2087) – morte de Ló
Gênesis não faz menção a esta data, mas Jasher 24:22 menciona o fato da seguinte maneira: “E Ló, filho de Harã, também morreu naqueles dias, no trigésimo nono ano da vida de Isaque, e todos os dias da vida de Ló foram 140 anos e morreu”.
Desta forma, Ló teria nascido em 1947 A.M., um ano antes que Abraão, e falecido em 2087 A.M.

1808 AC – (Anno Mundi 2088) – morte de Naor
Gênesis igualmente não faz referência a este acontecimento, mas Jasher 24:27 menciona o fato da seguinte maneira: “E Naor, filho de Tera, irmão de Abraão, morreu naqueles dias, no quadragésimo ano da vida de Isaque, e todos os dias de Naor foram cento e setenta e dois anos, e morreu e foi sepultado em Harã”.

Naor e seu irmão gêmeo, Harã, pai de Ló, teriam nascido em 1916 A.M.

1 Comentário

Filed under Uncategorized

O nascimento de Isaque e a expulsão de Ismael

Abraão e Isaque - Jan Lievens

1848 AC – (Anno Mundi 2048) – nascimento de Isaque
Através de Gn 21:5 nos localizamos com absoluta certeza no Anno Mundi 2048, pois ali é registrado o nascimento de Isaque. “Era Abraão da idade de cem anos, quando lhe nasceu Isaque seu filho”, resultado de (1948 + 100). Isaque veio a nascer 14 anos depois de Ismael e Abraão habitava em Canaã já havia 25 anos.

1847 AC – (Anno Mundi 2049) – morte de Serugue
Gênesis relata a morte de Serugue, bisavô de Abraão, no Anno Mundi 2049, aos duzentos e trinta anos de idade, duzentos anos depois de haver gerado Naor, pai de Abraão (1849 + 200).

1843 AC – (Anno Mundi 2053) – expulsão de Agar e Ismael
Conforme Gn 21:8, quando Isaque foi desmamado, cerca de cinco anos depois de seu nascimento, por conta de conflitos entre suas duas mulheres, mães de seus dois filhos, Sara pede a Abraão que expulse Agar e Ismael de seu convívio.

Este pedido pareceu mal a Abraão, mas Deus o orientou a fazer conforme Sara lhe pedira, pois a aliança feita entre Deus e Abraão teria continuidade com Isaque, e não com Ismael, de maneira que “se levantou Abraão pela manhã de madrugada, e tomou pão e um odre de água e os deu a Agar, pondo-os sobre o seu ombro; também lhe deu o menino e despediu-a; e ela partiu, andando errante no deserto de Berseba”. (Gn 21:14).

Há, no capítulo 21 de Jasher, alguns relatos interessantes sobre Ismael. Segundo Jasher, Ismael tornou-se arqueiro e habitou no deserto, tendo sido abençoado por Deus com muito gado, por consideração a Abraão, seu pai.

Jasher explica, por exemplo, que o pedido de Sara a Abraão para que expulsasse Agar e seu filho deveu-se a ela ter presenciado uma cena, quando Ismael tinha dezenove anos e Isaque cinco, em que Ismael chegou a entesar o arco e colocar nele uma fecha para atingir Isaque. Desta forma Sara não teve alternativa senão a de fazer o que fez.

Jasher relata outro fato interessante, que no tempo apropriado, Agar, mãe de Ismael, tomou-lhe uma esposa egípcia que lhe deu quatro filhos e duas filhas. Passado muito tempo, certo dia Abraão resolveu visitar Ismael no deserto encontrando por fim sua tenda. Não estavam nem Ismael nem Agar, mas somente a esposa egípcia de Ismael e seus filhos.

Como Abraão houvesse prometido a Sara que não desceria de seu camelo, pediu à nora, sem dizer quem era, um pouco de água, ao que ela respondeu que não havia nem água nem pão para lhe oferecer. Abraão permaneceu por um pouco tempo à espera de seu filho, e assim, pode perceber que a mulher, já dentro da tenda, batia nos filhos e amaldiçoava Ismael.

Abraão chamou então a mulher para fora e deu-lhe a seguinte instrução: “quando chegar Ismael, diz-lhe que esteve aqui à sua procura um homem muito velho com tal aparência, que veio da terra dos filisteus, mas não disse quem era. Diz também a ele que jogue fora o prego que ele colocou dentro de sua tenda e arranje outro melhor”.

Quando Ismael retornou, a mulher lhe disse tal e qual Abraão lhe instruíra, de tal forma que Ismael entendeu que se tratava de seu pai, e que sua esposa o tratara com desonra. Despediu então a mulher e tempos depois se casou com outra.

Anos depois a estória se repete, desta vez com a nova esposa. Esta, porém, com um procedimento muito diferente da primeira, ofereceu a Abraão, sem saber que se tratava de seu sogro, água e pão para que este se reconfortasse da longa viagem, de maneira que na hora da despedida, Abraão pede também a ela que transmita um recado a Ismael: “Diz a Ismael que passou à sua procura um homem muito velho, vindo da terra dos filisteus, que não disse quem era. Dei-lhe pão e água para que se reconfortasse da viagem e ele lhe deixou um recado: que o novo prego que puseste na tenda é muito bom e que você nunca o jogue fora”.

Tempos depois, ainda conforme Jasher, Ismael visitou seu pai na terra dos filisteus, trazendo a nova esposa e os filhos e permaneceu com Abraão por muitos anos.

1843 AC a 1822 AC – (2053 A.M. a 2074 A.M.)
Conforme Gn 11:23, Abraão peregrinou pela terra dos filisteus por muitos anos, vindo depois disto a mudar-se para Berseba, no sul de Israel, e depois para Hebrom.

1822 AC – (Anno Mundi 2074) – nascimento de Rebeca
Esta informação não está na Bíblia, mas é bastante consistente. Gênesis omite as datas de nascimento e morte de Rebeca. De acordo com Jasher, Rebeca teria nascido no Anno Mundi 2074.

Chega-se a esta data da seguinte maneira: de acordo com Jasher 36:3-6, Rebeca teria falecido quando Jacó tinha noventa e nove anos de idade, portanto, no Anno Mundi 2.207.

Ainda de acordo com Jasher, Rebeca teria cento e trinta e três anos quando faleceu. Desta forma, subtraindo-se 133 de 2.207, temos o ano de seu nascimento em 2.074 A.M.

1813 AC – (Anno Mundi 2083) – morte de Tera, pai de Abraão
No Anno Mundi 2083, morreu na cidade de Harã, Tera, pai de Abraão, aos 205 anos de idade. Abraão tinha então 135 anos, e já se havia passado precisamente 60 anos depois de haver Abraão e sua família terem deixado Tera vivo em Harã para seguir viagem para a Palestina, conforme a ordem de Deus.

Sabemos que Tera morreu no Anno Mundi 2083 (Gn 11:32) somando sua idade ao ano de seu nascimento (1878 + 205), tendo vivido, portanto, até que Isaque tivesse completado 35 anos de idade.

4 Comentários

Filed under Uncategorized